Resenha: Nossos dias

Olá, queridos leitores! Estou aqui para indicar a vocês mais um livro para colocar na sua listinha de desejos.


Editora: Rouxinol

Ano: 2019

Páginas: 100

Autores: J. Magnane, Erik Thomazi, Felipe Saraica, Rodrigo Ortiz, Julia Cunha, Tiellen Vianna, Marlon Souza, Andre Abreu Junior, Marcos Diniz, Julia Giarola, Taisa Alcantara, Flávia Duduch.

Sinopse: “Nossos Dias” expressa a arbitrariedade do conceito de tempo para cada um de nós. Oito mil e setecentas horas em 365 dias sob doze perspectivas diferentes. Por meio de histórias cheias de drama, amor e diversidade, a passagem de cada minuto se torna substancial, único. Cada atitude é decisiva, tudo o que fazemos afeta o espaço. E o que cada um de nós deixa de fazer afeta um conjunto de relações indissociáveis que resultam no futuro. E o futuro é apenas o desfecho do curso que o tempo faz por meio das nossas escolhas...



Resenha:

Hoje vim trazer a vocês um tipo diferente de leitura. Você já ouviu falar em coletânea de contos? A Micaela L. fala um pouco sobre o que é no texto "Antologias e coletâneas" aqui no site do WE.


Nossos dias é uma coletânea contendo 12 contos do gênero romance, sendo um para cada mês do ano. Cada conto foi produzido por um autor diferente, contendo suas particularidades e visões sobre o que o amor (aos outros e a si mesmo) pode transmitir. Nem sempre são tudo flores... Apesar de curtinhos, são bem emocionantes.


Sinergia – se passa em janeiro e conta a vida de duas irmãs que tinham sua individualidade e características únicas, mas que mesmo assim era unidas e amavam uma a outra.

“Nós éramos a dicotomia perfeita. Contradição harmoniosa em toda a sua essencialidade.”


Entre Folias, Foliões e Confetes – passa-se em um dia de Carnaval cheio de folia, emoção e amor. Mesmo em meio à folia, há uma grande chance de encontrar o verdadeiro amor.

“Eu volto amanhã. Me espera. (...) O amanhã veio e ele voltou, e depois do amanhã e depois e depois... E continua voltando ainda com todos os depois possíveis.”


O Lampião da Esquina – fala um pouco sobre como é difícil para pessoas consideradas “fora dos padrões” serem aceitas na sociedade. Margarida luta pela aceitação em sua vida.

“Se duas mulheres podem casar, que mal teria se a mãe, e não o pai, a levasse até sua amada?”


Luto – o autor, com suas doces palavras, nos faz refletir e ver outro ponto de vista a respeito dos velórios e de como eles são importantes para os que ficam. Confesso que o momento em que estamos vivendo em plena pandemia me fez refletir sobre isso.

“É sempre muito importante para as pessoas dizer adeus.”


Café e Romã – uma breve história sobre como às vezes é preciso enfrentar tudo e todos na busca da felicidade e do verdadeiro amor.

“Fechei os olhos e contei cada respiração. Um. O cheiro dele contra o meu, café e romã. Dois. Os gritos das discussões com tudo e todos, palavras ditas que me ajudaram a definir o que deveria ser mantido e o que deveria ser deixado nas memórias. Três... Nunca mais me tratariam assim.”